EVERYTHING BUT THE TRUTH


FICTION area_still portuguese only, soon to be translated.


_Ela me disse que não, arriscado, o marido está perto, o que é uma forma absolutamente encantadora de sim. Quer mas não pode, só um pouco, até começar, logo, a poder. Isso não seria nem dito aqui, senhoras casadas não fazem essas nojeiras e mesmo se hipoteticamente fizessem não deveríamos jamais acreditar quando alguém conta. Na verdade não existe aqui nenhuma falta de cavalheirismo, isso é coisa da tecnologia, esse diabo com rabo ligado na parede que todos sabemos manda nas nossas vidas. Meu teclado às vezes parece que vai ter um troço e não há quem segure o rosário de mentiras, barbaridades, jabaculês, hipérboles, mandingas, insultos, coisas que nem eu mesmo acredito quando leio, não costumo ser de viadagem mas já aconteceu de fechar o olho e não querer mais ler o que saía dali por coisa de 11 linhas, falo de um trecho de minha autoria que até hoje naturalmente desconheço, de maneira que não poderia nem argumentar inocência ou assumir a culpa caso alguém com o coração petrificado resolvesse como forma de castigo ou por simples prazer, sei de casos que mulheres de salto, casadas ou não, pisam nas vergonhas alheias e se matam de prazer enquanto os carpetes gritam, resolvesse como eu dizia antes de contar das loucas que esmagam sacos, ler para mim, em voz alta e dizendo que fui eu, textos que jamais saberei se escrevi ou não, incluindo detalhes da putaria mais baixa que fariam pessoas com razoável experiência no meretrício sorrirem envergonhadas enquanto baixam a cabeça e colocam a mão com esmaltes de gosto duvidoso na testa, preocupadas com a direção para onde o mundo segue; tenho certeza de que isso é prova cabal do absoluto perigo da eletricidade.


_Este livro é para ser lido como qualquer outro, nenhuma novidade, siga as regras que você supostamente aprendeu na escola. Abra na página cujo número equivale a sua idade, e siga daí para a frente, até encontrar qualquer indicação numérica. Todos sabem disso, claro. Duas camisas (2), quatro casas (4), seis notas de algum dinheiro (6), 34 seios (34) ou 176 centímetros (176). Mude assim que ler a indicação para a página correspondente, aguarde a próxima (convém tentar). Deixe para o fim páginas não lidas e em nenhuma hipótese leia a página 145. Isso não é uma indicação numérica, é uma ordem.


Os trechos acima são de Inventário de Passados, 212 p, concluído em 2009, ainda inédito.

Outros trechos do livro estão publicados no blog do autor, M.D.Retour. _visite o blog Passado Composto

M.D.Retour e eu, por algum motivo incrivelmente estranho, nascemos no mesmo corpo.


Desertos Varridos é um trabalho em andamento, que deve se estender até o final de 2011. É ao mesmo tempo o nome do blog onde publico ocasionalmente trechos do livro. A obra, na verdade, compreende os dois suportes. Nem tudo do livro está ou estará no blog, e nem tudo publicado no blog estará na versão impressa. _visite Desertos Varridos